Pular para o conteúdo principal da pagina
pilhas de moedas sob ícones de porcentagem

Mercado

Renda fixa e crédito privado: relatório quinzenal (10/06/24)

O BB-BI analisa os principais indicadores que impactam as decisões de investimento em renda fixa e crédito privado.

Publicado por: Análise BB

conteúdo de tipo Leitura8 minutos

Atualizado em

10/06/2024 às 10:25


Panorama econômico

Dados de atividade econômica seguem atuando como principais sinalizadores para formação de expectativas e a dinâmica de preços no mercado em meio às incertezas. Nos Estados Unidos, a resultado do produto interno bruto (PIB) do primeiro trimestre do ano e da inflação de consumo, ambas abaixo das projeções, indicando uma desaceleração gradual da economia, trouxe alívio na precificação dos yields dos treasuries. Nesta sexta-feira (07), no entanto, a divulgação da forte criação de empregos em maio (272 mil vagas) – acima das projeções do mercado – tende a contribuir para redução da probabilidade de cortes de juros americanos este ano. No Brasil, a resiliência da atividade em 2024 somada a um mercado de trabalho ainda aquecido, considerado dados do CAGED e desemprego de abril, assim como aumento da percepção de risco fiscal, produziram volatilidade aos ativos locais em magnitude maior à observada no exterior.

No que pese o desempenho positivo da inflação corrente em maio (IPCA-15), a desancoragem das expectativas em horizonte relevante para execução da política monetária brasileira mantém a trajetória de juros domésticos pressionada no curto prazo. O Boletim Focus divulgado nesta data mostrou continuidade das revisões pessimistas, com a piora das projeções para a inflação ao final de 2024 de 3,88% para 3,90%, e ao final de 2025, de 3,77% para 3,78%, ambas distantes da meta de 3%, refletindo a maior incerteza no âmbito global e doméstico.

Curva de juros

Ao longo da quinzena, a curva de juros nominal brasileira se manteve pressionada no curto prazo, refletindo a deterioração das expectativas do mercado para indicadores domésticos, evidenciada no Boletim Focus com aumento das projeções de inflação para os próximos anos. Os vértices intermediários e longos apresentaram elevada abertura, na comparação com a semana anterior, adicionando inclinação para a curva em movimento contrário ao observado nos juros americanos.

A curva de DI futuro precifica, neste momento (em 07/06), uma taxa Selic de 10,62% para dez/2024, 11,32% para dez/25 e 11,70% para dez/26, bem acima da mediana das expectativas do mercado (onde se espera, por exemplo, taxa terminal de 9,25% para 2025 e 9,0% para 2026). A desancoragem das expectativas de inflação têm sido fator predominante para elevação substancial dos prêmios na curva de juros e a escalada recente dos juros reais no Brasil aumentou o diferencial entre o rendimento dos títulos indexados à inflação com vencimento de 10 anos no Brasil e nos EUA, o que pode atrair investimentos para a renda fixa brasileira atrelada ao IPCA.

O viés de estabilidade dos spreads se manteve neste início de junho, tanto para as debêntures indexadas ao IPCA quanto para as indexadas ao CDI, refletindo maior equilíbrio entre oferta e demanda de crédito privado.

Evolução dos spreads de crédito

O viés de estabilidade na média dos spreads se manteve neste início de junho, tanto para as debêntures indexadas ao IPCA quanto para as indexadas ao CDI, refletindo maior equilíbrio entre oferta e demanda de crédito privado.

Disclaimer

Este é um relatório público e foi produzido pelo BB-Banco de Investimento S.A. (“BB-BI”). As informações e opiniões aqui contidas foram consolidadas ou elaboradas com base em informações obtidas de fontes fidedignas e de boa-fé, tendo sido tomadas medidas razoáveis para assegurar sua exatidão no momento de publicação. Contudo, o BB-BI não garante que tais dados sejam totalmente isentos de distorções e não se compromete com a veracidade dessas informações. Todas as opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e derivam do julgamento de nossos analistas de valores mobiliários (“analistas’), podendo ser alteradas a qualquer momento sem aviso prévio. O BB-BI não garante o lucro e não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas nesse material, que tem por finalidade apenas informar e servir como instrumento que auxilie a tomada de decisão de investimento, não devendo ser interpretado como material promocional, recomendação, oferta ou solicitação de oferta para comprar ou vender quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao capital investido. A rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Nos termos do art. 22 da Resolução CVM 20/2021, o BB-BI, em conjunto com o Conglomerado Banco do Brasil S.A. (“Grupo”), declaram que (i) podem ser remunerados por serviços prestados ou possuir relações comerciais com a(s) empresa(s) analisada(s) neste relatório ou com pessoa natural ou jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse dessa(s) empresa(s); (ii) podem possuir participação acionária direta ou indireta, igual ou superior a 1% do capital social da(s) empresa(s) analisada(s), e poderão adquirir, alienar ou intermediar valores mobiliários da(s) empresa(s) no mercado.

Quer dar uma nota para este conteúdo?

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência e personalizar os conteúdos de acordo com a nossa

Política de Privacidade.