Pular para o conteúdo principal da pagina
esferas de tamanhos diferentes sob fundo branco

Quero aprender

Por dentro da inflação: como interpretar difusão, abertura, núcleo e outros termos

Entenda melhor os comunicados de inflação e os diferentes cálculos feitos por analistas após a divulgação de indicadores

Publicado por: Broadcast Exclusivo

conteúdo de tipo Leitura6 minutos

Atualizado em

23/05/2024 às 15:22

Por Luana Pavani, do Broadcast

Toda vez que sai um indicador de inflação, é certeza que será acionado o "economês", aquele jeito de se comunicar dos economistas com uma série de termos um tanto complicados de entender. Para te ajudar a saber do que eles estão falando, confira a seguir as explicações dos principais pontos de análise nos relatórios de inflação.

O que é abertura da inflação?

É a leitura específica de cada um dos grupos que compõem o cálculo da inflação. Fazer a abertura do índice é buscar dentro do cálculo quanto cada grupo de despesas contribuiu para o resultado final. Assim, um analista pode escrever, por exemplo, que o indicador total - também chamado de "dado cheio" - mostra desaceleração da inflação. Porém, na abertura, ou seja, no detalhe, pode ocorrer que transportes e alimentos - dois grupos - tenham apresentado aumento naquele mês. Algo assim.
O indicador oficial no Brasil, utilizado como base para o regime de metas de inflação do Banco Central é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mas existem outros índices muito utilizados por economistas, como o IGP-M, medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o IPC-Fipe, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas.

Leia também: Aprenda mais sobre juros e inflação em cursos online gratuitos de macroeconomia

O IPCA mede a inflação de um conjunto de bens e serviços comercializados no varejo, referentes ao consumo pessoal das famílias, tendo como fonte de informação a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF). O cálculo da variação mensal é apresentado pelo índice geral e pelos grupos: Alimentação e Bebidas, Habitação, Artigos de Residência, Vestuário, Transportes, Saúde e Cuidados Pessoais, Despesas Pessoais, Educação e Comunicação. Dentro de cada grupo, há os subgrupos, por exemplo, Passagens Aéreas dentro de Transportes. O IBGE também separa os dados de inflação por cidades pesquisadas.

Entenda também: Quais são os principais índices de inflação no Brasil e no exterior?

O que é núcleo de inflação?

Além do "dado cheio", que é o resultado final do indicador no período, os analistas observam o núcleo da inflação, uma conta que retira do cálculo os componentes que apresentaram volatilidade temporária. Em geral são produtos suscetíveis a sazonalidade e um bom exemplo disso são os alimentos in natura que, em decorrência de chuvas ou estiagens, têm impacto forte de preços, que duram pouco tempo.

Os economistas costumam traçar gráficos de evolução da inflação com base nos dados do núcleo, para assim obterem uma base de comparação mais perene ao longo do tempo.

Mas cada consultoria faz seus próprios cálculos, de modo que ao receber mais de um relatório de inflação, o investidor pode se deparar com projeções distintas.

No meio dos comentários, pode também surgir o termo "inflação subjacente", um sinônimo em economês para núcleo da inflação. Essa medida, como explica o Banco Central, remove o componente transitório dos índices de preços e procura captar a tendência inflacionária, ou o patamar esperado para a inflação depois de cessados os efeitos de choques temporários.

Veja também: O que tem a ver inflação com taxa de juros?

O que é difusão?

Este indicador mostra o porcentual de produtos que apontam crescimento ou queda de preços tanto no indicador mensal quanto por grupos. Dessa forma, um analista consegue identificar se uma maioria de produtos está pressionando a inflação ou se, ao contrário, a pressão é responsabilidade de uma minoria de itens. Isso é uma pista importante para identificar a tendência futura da inflação e a resistência que ela pode mostrar ao longo do tempo.

Qual a diferença entre preços livres e administrados?

Para medir a inflação, o instituto de pesquisa (como IBGE, FGV, Fipe) acompanha num determinado período de tempo - quinzenal, mensal ou anual - o comportamento dos preços na economia, tanto os livres quanto os administrados. Os primeiros são os de mercado, praticados conforme oferta e demanda.

São considerados preços administrados os que dependem de autorização ou conhecimento prévio de algum órgão do poder público, como serviços de utilidade pública com tarifas reguladas ou autorizadas - caso de serviços de água, esgoto, energia elétrica, telefonia, correio, entre outros.

O que é a inflação implícita?

Não é uma medida de inflação e sim de expectativa de inflação. Ao negociar títulos de renda fixa com vencimentos futuros, os investidores consideram o juro real do período e adicionam as expectativas de inflação, formando o juro nominal do título. Com base nisso, muitos economistas usam o termo inflação implícita em suas análises para projetar a inflação futura com base nos negócios que estão sendo feitos no mercado financeiro.

Entenda: O que é a inflação implícita e qual o seu impacto nas expectativas de juros

Quer dar uma nota para este conteúdo?

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência e personalizar os conteúdos de acordo com a nossa

Política de Privacidade.