Pular para o conteúdo principal da pagina
mulher adulta e criança em corredor de supermercado

Mercado

M Dias Branco (MDIA3) Resultado 1T24: forte crescimento de rentabilidade

Companhia segue com evolução consistente de margens

Publicado por: Análise BB

conteúdo de tipo Leitura4 minutos

Atualizado em

13/05/2024 às 12:03


A M. Dias Branco reportou bons resultados no 1T24. Apesar da redução da receita, observamos evolução da rentabilidade da companhia, fruto, principalmente, da redução dos custos das principais matérias-primas (trigo e óleo de palma). Além disso, observamos uma forte geração de caixa neste e nos trimestres anteriores, o que permitiu a melhoria do resultado financeiro e da alavancagem financeira. Vale pontuar também que a companhia ganhou, pelo 2º trimestre consecutivo, market share na categoria biscoitos (em valor e volume) e massas (em volume).

tabela de evolução e variação de preço mdias3

Desempenho das Ações e Perspectivas

As ações MDIA3 vêm apresentando performance inferior à do Ibovespa em 2024, o que pode ser reflexo, ao nosso ver, do fim da dedutibilidade das subvenções governamentais na apuração do IR/CSLL, o que impacta negativamente a rentabilidade da companhia. Contudo, mantemos uma visão positiva em relação à tese de investimento da M. Dias Branco, diante da consistente recuperação de margens, continuidade da disciplina na gestão de custos e despesas e redução da alavancagem financeira. Esses aspectos, combinados ao desconto que a companhia vem negociando frente ao nosso preço-alvo e à média de 5 anos no múltiplo EV/EBITDA (27%), mantemos nossa recomendação de Compra e preço-alvo para o final de 2024 em R$ 48,00.

MDIA3 vs. IBOV (Gráfico Base 100)

gráfico comparativo mdias3 e ibov

Desempenho Econômico-financeiro

A receita líquida somou R$ 2,1 bilhões, queda de 14% a/a e 23% t/t. Na comparação anual, a retração da receita deveu-se, principalmente, da redução do preço médio (R$/kg) em 13%, já que a volume se manteve praticamente estável (-1,4% a/a). Essa redução no preço médio refletiu (i) a queda dos preços das commodities, como farinha e farelo de trigo e margarinas e gorduras; (ii) diminuição dos preços de itens de menor valor agregado, como massa comum, e (iii) maior desempenho das subcategorias com menor preço médio.

Já o lucro bruto veio em R$ 784 milhões, crescimento de 16% a/a, o que implicou em elevação da margem de 9,5 p.p. a/a, atingindo 36,6% no 1T24. A majoração da margem bruta deveu-se à retração dos preços do trigo e do óleo de palma, além da elevação do nível de utilização da capacidade de produção para 60,5%, ante 55,5% no 1T23.

Parte da elevação da margem bruta foi consumida pelo crescimento das despesas com vendas, gerais e administrativas como percentual da receita líquida em 3,3 p.p. a/a, refletindo a menor atividade operacional no mês de janeiro, período em que houve a implantação do SAP, bem como pela retração do preço médio. Com isso, o EBITDA nominal foi de R$ 277 milhões (+60% a/a), enquanto a margem EBITDA atingiu 13,0%, +6,0 p.p. a/a. A melhora no resultado operacional, combinada com menores despesas financeiras em função da redução da dívida bruta, levou a companhia a reportar lucro líquido de R$ 155 milhões, crescimento de 122% a/a.

No que se refere à alavancagem financeira, o endividamento bruto teve redução de R$ 300 milhões a/a e atingiu R$ 2,0 bilhões neste trimestre. Diante da redução da dívida bruta e elevação do caixa, a companhia reportou caixa líquido pelo 2º trimestre consecutivo, equivalente a 0,1x o EBITDA dos últimos 12 meses, em comparação a uma dívida líquida de 1,6x o EBITDA no 1T23.

Por fim, vale pontuar que os investimentos do trimestre totalizaram R$ 52 milhões, dos quais cerca de 88% foram direcionados para manutenção, enquanto o restante foi encaminhado para expansão.

Destaques 1T24

tabela descritiva de destaques mdias3
Disclaimer

Este é um relatório público e foi produzido pelo BB-Banco de Investimento S.A. (“BB-BI”). As informações e opiniões aqui contidas foram consolidadas ou elaboradas com base em informações obtidas de fontes fidedignas e de boa-fé, tendo sido tomadas medidas razoáveis para assegurar sua exatidão no momento de publicação. Contudo, o BB-BI não garante que tais dados sejam totalmente isentos de distorções e não se compromete com a veracidade dessas informações. Todas as opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e derivam do julgamento de nossos analistas de valores mobiliários (“analistas’), podendo ser alteradas a qualquer momento sem aviso prévio. O BB-BI não garante o lucro e não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas nesse material, que tem por finalidade apenas informar e servir como instrumento que auxilie a tomada de decisão de investimento, não devendo ser  interpretado como material promocional, recomendação, oferta ou solicitação de oferta para comprar ou vender quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao capital investido. A rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Nos termos do art. 22 da Resolução CVM 20/2021, o BB-BI, em conjunto com o Conglomerado Banco do Brasil S.A. (“Grupo”), declaram que (i) podem ser remunerados por serviços prestados ou possuir relações comerciais com a(s) empresa(s) analisada(s) neste relatório ou com pessoa natural ou jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse dessa(s) empresa(s); (ii) podem possuir participação acionária direta ou indireta, igual ou superior a 1% do capital social da(s) empresa(s) analisada(s), e poderão adquirir, alienar ou intermediar valores mobiliários da(s) empresa(s) no mercado. 

Quer dar uma nota para este conteúdo?

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência e personalizar os conteúdos de acordo com a nossa

Política de Privacidade.