Pular para o conteúdo principal da pagina
pessoa comprando vegetais no mercado

Mercado

Grupo Mateus 1T24: neutro; ganho de receita, mas com margens estáveis

BB analisa resultado do 1o TRI 2024 como neutro; ganho de receita, mas com margens estáveis.

Publicado por: Análise BB

conteúdo de tipo Leitura6 minutos

Atualizado em

13/05/2024 às 13:57


O Grupo Mateus reportou um resultado neutro referente ao 1T24, em nossa opinião. Merecem destaque o crescimento de vendas mesmas lojas de quase dois dígitos e o aumento expressivo de receita líquida na comparação anual. Por outro lado, as margens ficaram praticamente estáveis, com os indicadores sendo impactados especialmente pelo aumento da alíquota de ICMS, por uma reclassificação na linha de custos e pelo aumento das despesas com vendas.

Desempenho das Ações e Perspectivas

As ações GMAT3 acumulam alta de mais de 10% desde o início do ano e seguem com performance bem acima do Ibovespa e de seus pares de capital aberto do segmento de varejo de alimentos. Entendemos que a companhia continua com bons fundamentos e que o mercado espera bons resultados de seus investimentos recentes.

Apesar de estarmos positivos em relação à companhia, nosso modelo não traz upside adicional em relação ao preço atual do papel. Por este motivo, mantermos recomendação Neutra para a ação, com preço-alvo em R$ 8,00, até incorporarmos os números do 1T24 em nosso valuation.

Desempenho Econômico-financeiro

A receita líquida somou R$ 7,4 bilhões, alta de 25,8% na comparação anual e em linha com as nossas estimativas (+1,2% r/e). No último trimestre, a companhia seguiu com seu plano de expansão e converteu 2 lojas Mix Mateus, além de inaugurar 1 loja Eletro Mateus, todas na região metropolitana da cidade de Recife. Merece destaque as vendas mesmas lojas (SSS) do segmento Eletro, com alta de 9,5% na comparação anual, seguido pelo Varejo (+8,4%) e pelo Atacarejo (+7,2%).

O lucro bruto acompanhou o crescimento da receita e apresentou um aumento de 27,6% a/a, o que proporcionou uma margem bruta de 22,3%, 0,3 p.p. superior na comparação ano contra ano e acima de nossas estimativas (+1,8 p.p. r/e). Durante o primeiro trimestre do ano, houve aumento de alíquota de ICMS em 5 estados onde o Grupo Mateus tem presença, sendo que seu impacto foi mitigado pelo repasse de preços entre fevereiro e março. Outra mudança que impactou o lucro bruto foi a reclassificação do valor referente às verbas com fornecedores, que antes transitavam pela linha de Outras Receitas, para a linha de Custos, com o objetivo de se adequar a práticas do mercado.

As despesas com vendas tiveram relevante aumento (+33,9% a/a), atingindo o valor de R$ 1,1 bilhão, devido, especialmente, à inauguração de 23 lojas nos últimos 12 meses, a despesas de rescisão contratuais, bem como ao crescimento da linha de fretes em função da abertura de 4 CDs no último semestre de 2023. Com isso, a companhia reportou uma margem EBITDA Ajustada de 6,9%, praticamente estável se comparada com o mesmo período do ano anterior (-0,1 p.p. a/a) e acima de nossas expectativas (+0,9 p.p. r/e).

Por fim, a margem líquida ficou um pouco menor que a apresentada no mesmo período do ano passado (-0,8 p.p. a/a), chegando a 3,3%, em linha com nossas estimativas. O lucro líquido fechou o trimestre praticamente estável na comparação anual, chegando a R$ 240 milhões (+0,3% a/a).

Pontuamos que a companhia segue com uma alavancagem financeira confortável, com a dívida líquida correspondendo a 0,3x o EBITDA Ajustado dos últimos 12 meses.

Já os investimentos do trimestre totalizaram R$ 365 milhões, equivalente a 4,9% da receita líquida do período, ante 3,7% no 1T23. O capex do trimestre (R$ 246 milhões) foi distribuído entre novas lojas (71%), terrenos (20%), infraestrutura, TI e outros (8%) e reformas e manutenções (1%).

Destaques 1T24

Disclaimer

Este é um relatório público e foi produzido pelo BB-Banco de Investimento S.A. (“BB-BI”). As informações e opiniões aqui contidas foram consolidadas ou elaboradas com base em informações obtidas de fontes fidedignas e de boa-fé, tendo sido tomadas medidas razoáveis para assegurar sua exatidão no momento de publicação. Contudo, o BB-BI não garante que tais dados sejam totalmente isentos de distorções e não se compromete com a veracidade dessas informações. Todas as opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e derivam do julgamento de nossos analistas de valores mobiliários (“analistas’), podendo ser alteradas a qualquer momento sem aviso prévio. O BB-BI não garante o lucro e não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas nesse material, que tem por finalidade apenas informar e servir como instrumento que auxilie a tomada de decisão de investimento, não devendo ser  interpretado como material promocional, recomendação, oferta ou solicitação de oferta para comprar ou vender quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao capital investido. A rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Nos termos do art. 22 da Resolução CVM 20/2021, o BB-BI, em conjunto com o Conglomerado Banco do Brasil S.A. (“Grupo”), declaram que (i) podem ser remunerados por serviços prestados ou possuir relações comerciais com a(s) empresa(s) analisada(s) neste relatório ou com pessoa natural ou jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse dessa(s) empresa(s); (ii) podem possuir participação acionária direta ou indireta, igual ou superior a 1% do capital social da(s) empresa(s) analisada(s), e poderão adquirir, alienar ou intermediar valores mobiliários da(s) empresa(s) no mercado.

Quer dar uma nota para este conteúdo?

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência e personalizar os conteúdos de acordo com a nossa

Política de Privacidade.