Pular para o conteúdo principal da pagina
gráfico em linha desenhado com spray em fundo azul

Economia

Focus: Mediana para IPCA de 2026 sobe de 3,50% para 3,58%, após 46 semanas de estabilidade

Publicado por: Broadcast Notícias

conteúdo de tipo Leitura3 minutos

Atualizado em

27/05/2024 às 10:01

Por Cícero Cotrim

São Paulo, 27/05/2024 - Economistas do mercado financeiro aumentaram novamente as suas projeções para a inflação. Nesta edição do relatório Focus, a mediana para 2024 passou de 3,80% para 3,86% e a mediana para 2025, de 3,74% para 3,75%, dando continuidade ao movimento observado nas últimas semanas. A projeção para 2026 - estável havia 46 semanas - subiu de 3,50% para 3,58%.

Um aumento das estimativas de inflação de longo prazo era esperado por analistas do mercado, como mostrou o Broadcast . A incerteza sobre o compromisso do Banco Central com o cumprimento da meta para o IPCA a partir do ano que vem, quando o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto, será substituído por um indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pesa no movimento.

Essa incerteza cresceu desde a última decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que diminuiu a taxa Selic em 0,25 ponto porcentual, para 10,5%. A minoria - inteiramente composta por diretores indicados por Lula, crítico do nível dos juros, que considera altos - votou por uma redução mais intensa da taxa, de 0,5 ponto porcentual.

Declarações do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, na semana passada, também podem ter pesado no movimento. Em uma audiência na Câmara dos Deputados, ele disse que o centro da meta de inflação, de 3%, é "exigentíssimo para as condições do Brasil". O comentário renovou a percepção de que o governo ainda pode, eventualmente, aumentar a meta de inflação.

Considerando apenas as projeções atualizadas nos últimos cinco dias úteis, a mediana do Focus para o IPCA de 2024 subiu de 3,84% para 3,86%. A estimativa intermediária para 2025 passou de 3,70% para 3,77%.

A estimativa intermediária do mercado para o IPCA de 2027 ficou estacionada em 3,50% pela 47ª semana consecutiva.

Contato: cicero.cotrim@estadao.com

Quer dar uma nota para este conteúdo?

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência e personalizar os conteúdos de acordo com a nossa

Política de Privacidade.