Pular para o conteúdo principal da pagina
pessoas multidão em cenário ensolarado

Mercado

Engatando a terceira marcha. Confira a análise do 4T23 do Inter & Co. (INBR32)

Segundo analistas do BB Investimentos, o Inter & Co. entregou no 4T23 um resultado positivo.

Publicado por: Análise BB

conteúdo de tipo Leitura5 minutos

Atualizado em

08/02/2024 às 17:43


O Inter apresentou um resultado que consideramos positivo no 4T23, com lucro líquido de R$ 160 milhões (+53% t/t), equivalente a um ROE trimestral de 8,5%, favorecido por expansão generalizada de receitas aliada a custos bem administrados.

Momento

O 4T do Inter representou, em nossa leitura, mais um importante passo no contexto da virada de chave para um banco em busca da rentabilidade ocorrida no primeiro semestre de 2023. A essa altura, o crescimento inercial começa a compensar de maneira gritante o os custos, e mesmo diante de um contexto sazonal, que ainda pressionou de certa forma a performance, uma miríade de avanços ainda foi significativa, embora outros tantos tenham sido apenas marginais.

Receitas

Vimos forte avanço na receita de juros, que se expandiu 7% t/t e 29,7% a/a, em linha com a carteira de crédito, que variou 9,3% e 26,4% nas mesmas bases, percentual mais de três vezes maior do que a indústria no período. As receitas de serviço também não decepcionaram, oscilando +8% t/t e 37,7% a/a, evidenciando um avanço rumo ao plano do Inter de capturar receitas de produtos não-crédito em cerca de 50% no longo prazo (atualmente 30%). As despesas com provisões ficaram em R$ 384 milhões, uma queda de 5,8% no trimestre, mas avanço de 45% no comparativo anual, muito por conta da própria originação, bastante forte no período. A queda no trimestre conversa diretamente com o esforço do Inter na contenção da inadimplência, que gerou frutos: vimos queda tanto no conceito tradicional (atrasos acima de 90 dias) de 4,7% no 3T23 para 4,6% no 4T, quanto no conceito curto (entre 15 e 90 dias): de 4,3% no 3T para 4% no 4T.

Custos

Foi girando nesse botão que vimos o Inter sair da linha d’agua para a rentabilidade, então é para esse item que as maiores atenções se voltam. No 4T, tanto as linhas Pessoal quanto Administrativas mostraram expansão ante o 3T (5,1% e 0,6% respectivamente), diante de um contexto sazonal de incremento de salários e benefícios relativos ao final de ano. O que chama a atenção, no entanto, é a variação contra o 4T22, que ficam em -7,7% e -6,2%, evidenciando a profundidade do ajuste na estrutura de custos promovida pelo Inter ao longo de 2023. Ainda assim, por conta da variação no trimestre, apesar do avanço das receitas, a melhoria no índice de eficiência foi tão somente marginal: de 52% para 51%. Lembrando que a expectativa do Inter quanto a esse indicador é a de que ele atinja 30% até 2027.

Desempenho das ações

Até meados de 2023 os BDRs do Inter amargavam perdas expressivas. Desde então, com a solidificação da estratégia de busca por rentabilidade apresentada no início do ano, e percepção de melhoria operacional estrutural, o ativo rapidamente mudou de direção e passou a operar em forte alta.

Percebemos estas mudanças já no resultado do 1T, mas foi no resultado do 2T, ainda em agosto do ano passado, que sentimos que havia confiança o suficiente nos números do Inter e modificamos a recomendação de neutra para compra, e com isso pudemos capturar a boa parte do movimento de alta visto até então.

Em se tratando de preço, os BDRs do Inter, de fato dividem opiniões. É provavelmente o ativo com a maior range de preços-alvo e maior dissenso entre analistas, já que o valuation, ao se basear em alta sensibilidade de projeções, desafia a técnica tradicional. Nos parágrafos a seguir justificaremos nossa manutenção da recomendação de compra para o ativo, apesar da vigorosa alta vista nos últimos meses.

Perspectivas

Para 2024 esperamos que o Inter permaneça focado na perseguição das suas metas declaradas: 60 milhões de clientes, 30% de índice de eficiência e 30% de ROE até 2027. Passado um ano desde a declaração, vimos o plano começar a dar frutos de forma material. Pelo fato do segredo estar, pelo jeito, na gestão eficiente dos custos, acompanharemos de perto o possível impacto da redução da estrutura promovida ao longo de 2023 sobre as receitas. E, até que 2027 chegue, estamos curiosos com os avanços do banco ano a ano, mas é fato que estamos diante de um representante que finalmente parece ter entendido como alinhar a proposta de um neobank com a rentabilidade de um banco tradicional, e portanto, seguimos otimistas.

Preço-alvo e recomendação

Sem alterações no valuation por enquanto, mantemos nosso preço-alvo em R$ 27,50 para o final de 2024, e a recomendação de compra. Salientamos tratar-se, no entanto, de um valuation altamente sensível às premissas sobre a capacidade e velocidade do Inter em transformar seu crescimento em rentabilidade, e que o preço-alvo deriva de um desconto de valor futuro em percentual muito superior ao de bancos tradicionais, então classificamos o ativo como alto risco.

O inter está caro?

Com uma alta bastante expressiva nos últimos meses, o preço certamente parece superestimado. Concordamos em parte com a afirmação, mas entendemos que, dados i) o momento de relativa tranquilidade nos mercados acionários, ii) um conjunto de melhores expectativas para o mercado bancário como um todo, e iii) uma sequência de resultados favoráveis pelo Inter, o custo de oportunidade de ficar de fora de uma eventual reprecificação do ativo dada a qualidade da entrega está pesando de forma mais proeminente.

Disclaimer

Este é um relatório público e foi produzido pelo BB-Banco de Investimento S.A. (“BB-BI”). As informações e opiniões aqui contidas foram consolidadas ou elaboradas com base em informações obtidas de fontes, em princípio, fidedignas e de boa-fé. Embora tenham sido tomadas todas as medidas razoáveis para assegurar que as informações aqui contidas não sejam incertas ou equivocadas, no momento de sua publicação, o BB-BI não garante que tais dados sejam totalmente isentos de distorções e não se compromete com a veracidade dessas informações. Todas as opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e derivam do julgamento de nossos analistas de valores mobiliários (“analistas’), podendo ser alteradas a qualquer momento sem aviso prévio, em função de mudanças que possam afetar as projeções da empresa, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação no sentido de atualização ou revisão com respeito a tal mudança. Quaisquer divergências de dados neste relatório podem ser resultado de diferentes formas de cálculo e/ou ajustes. O Disclaimer completo encontra-se no relatório.

Quer dar uma nota para este conteúdo?

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência e personalizar os conteúdos de acordo com a nossa

Política de Privacidade.