mulher sorrindo sentada ao chão

Mercado

BB integra lojas do Shopping BB ao app, e cliente pode finalizar pagamento sem sair da tela

Publicado por: Broadcast Exclusivo

conteúdo de tipo Leitura3 minutos

Atualizado em

24/06/2024 às 14:49

Por Matheus Piovesana, do Broadcast

São Paulo, 24/06/2024 - O shopping virtual do Banco do Brasil, o Shopping BB, passa a permitir que os clientes façam compras sem sair do aplicativo do banco, no que o setor de tecnologia chama de jornada ponta a ponta ("end to end"). O reforço da ferramenta começa com 40 lojas e com os clientes do Estado de São Paulo e do Distrito Federal, e chegará ao restante do País até julho.

O banco público movimentou R$ 292 milhões em vendas brutas através de 8 milhões de operações no Shopping no primeiro trimestre deste ano. No ano passado foi R$ 1,2 bilhão, volume 20% maior que o de 2022, e o banco espera aumentar o ritmo de crescimento com as compras integradas.

O negócio é parte do esforço do BB para se posicionar em produtos e serviços não bancários, em um contexto em que além dos bancos digitais, os nomes tradicionais do setor enfrentam varejistas e plataformas de entrega na disputa pelos bolsos dos clientes.

Veja: Fortaleza do BB é rede física, mas digitalização é ‘realidade’, diz Tarciana Medeiros

O Shopping foi criado em 2021, com lojistas cadastrados e oferecendo vantagens como cashback. No entanto, o cliente tinha de sair do aplicativo do banco para completar a compra. Trazer o processo para dentro é uma forma de aumentar a conversão de vendas, e também de fazer com que o cliente passe mais tempo na plataforma.

"Buscamos a 'principalidade' do cliente, sermos o principal ambiente com que ele se relaciona no dia a dia, e por isso o não financeiro também é importante", diz o diretor de Negócios Digitais do BB, Rodrigo Vasconcelos, ao Broadcast . Desde a criação, o Shopping atendeu a 5 milhões de clientes, e o BB vê potencial de multiplicar a base de usuários (número não informado) por dez.

Nas compras feitas totalmente dentro do aplicativo do banco, o cliente não precisa digitar os dados de pagamento, por exemplo. Além dos cartões Ourocard, é possível pagar com métodos como o Pix parcelado. Em breve, o banco também permitirá o uso de pontos da Livelo, programa de fidelidade que controla em conjunto com o Bradesco, nas transações.

Estratégia de geração de receita

O Shopping BB é um canal de venda de crédito, mas há outras formas de geração de receita. Uma das principais é a cobrança de comissões sobre cada venda realizada. Os canais digitais do BB têm 29 milhões de clientes, sendo que 23 milhões utilizam o aplicativo do banco e 19 milhões usam o WhatsApp. Utilizar essa audiência como vitrine ajuda o conglomerado inclusive nas áreas que atendem às empresas de grande e médio portes.

"Quando nos relacionamos com uma pessoa jurídica e trazemos o Shopping BB na oferta, rentabilizamos a cadeia de valor e geramos mais receitas para ela", afirma Vasconcelos. "Com isso, a gestão de caixa vem para o BB, a folha de pagamento vem para o BB", complementa ele, dizendo ainda, sem mencionar nomes, que algumas vendas integradas foram feitas neste ano.

Para o varejo do banco, o Shopping ajuda a saber mais sobre os clientes, o que dá um empurrão nas ofertas de crédito e serviços. Há alguns anos, as bases do BB são unificadas, o que significa que cada uma das áreas do banco acessa e alimenta um mesmo cadastro de cada cliente e conhece toda a "vida" dele dentro do conglomerado. Permitir as compras dentro do aplicativo abre mais uma frente de geração de dados.

Quer dar uma nota para este conteúdo?

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência e personalizar os conteúdos de acordo com a nossa

Política de Privacidade.