porta entreaberta em azul

Mercado

Banco do Brasil quer empresa média no mercado de capitais através do 'novo' BB-BI

Publicado por: Broadcast Exclusivo

conteúdo de tipo Leitura3 minutos

Atualizado em

17/06/2024 às 14:25

Por Matheus Piovesana, do Broadcast

São Paulo, 17/06/2024 - O mercado de capitais ganhou peso no balanço das empresas brasileiras com a fila puxada pelas de grande porte. O Banco do Brasil quer aproveitar da estrutura e capilaridade no País para abrir espaço para as companhias médias, um contingente de 3.500 empresas que já são clientes. Essa estratégia vai utilizar a estrutura do BB-BI, recriado "oficialmente" no final do ano passado.

"O que nós temos procurado fazer é levar um conhecimento maior para as empresas que chamamos de 'middle', entre R$ 200 milhões e R$ 1,3 bilhão em receita operacional bruta (anual)", afirma o CEO do BB-BI, Geraldo Morete. Com 37 anos de BB, ele assumiu o cargo em outubro do ano passado, um mês após o BB-BI ser constituído.

O BB atua no mercado de banco de investimento por meio do UBS BB, joint venture com o suíço UBS, desde 2020. A parceria prevê que o UBS BB estruture as ofertas e que o banco público entre com a chamada garantia firme, que é a garantia de compra de parte dos papéis da operação caso o mercado não absorva a emissão inteira.

Para prover essa garantia, o BB constituiu o BB-BI. Desta forma, as operações de mercado de capitais envolvem os dois bancos, mas algumas não têm escala para a estrutura do UBS BB. Com um banco de investimentos montado e os termos da sociedade ajustados, o BB viu a oportunidade de estimular empresas médias a recorrerem ao mercado, através primeiro de emissões de renda fixa, das notas comerciais às debêntures.

"Conversamos o tempo todo, atuamos de forma sempre complementar", diz Morete. "O que buscamos é fazer com que as necessidades das empresas, independente do tamanho que elas tenham, sejam atendidas, seja na estrutura do UBS BB ou do BB-BI."

No ano passado, as duas marcas atuaram em 127 ofertas, com volume total de R$ 107,6 bilhões e garantia firme dada pelo BB-BI de R$ 37,8 bilhões. Neste ano, os volumes estão em alta: em 113 ofertas, são R$ 121,5 bilhões em recursos, com R$ 39 bilhões em garantia firme. A resiliência das ofertas de renda fixa tem puxado os números para cima.

O BB-BI tem 56 pessoas, recrutadas de diferentes áreas do conglomerado, e passou a ser responsável pelas equipes de pesquisa de ações e renda fixa do banco. Atividades como as de tesouraria, custódia e outras são desempenhadas nas estruturas do BB.

"Temos um ganho de eficiência, porque essas áreas conduzem outras atividades que se somam às do banco de investimento", diz Morete. Eficiência é a palavra-chave no negócio: para chegar às empresas de médio porte, o BB-BI utiliza de forma ampla da estrutura do banco.

É através das equipes que atendem a esse público no dia a dia bancário que as operações podem ser originadas, em um exemplo. "Queremos levar uma capacitação cada vez maior para os nossos gerentes de relacionamento, para que a cultura do mercado de capitais se faça presente nos interlocutores com todas as empresas que atendemos no Atacado", afirma Morete.

O BB tem cerca de 400 gerentes que são dedicados às empresas com faturamento anual entre R$ 50 milhões e R$ 1,3 bilhão, distribuídos entre 80 escritórios no País. Na frente bancária, um dos objetivos é ser o banco não apenas dessas empresas, mas também de suas cadeias de fornecedores e de clientes.

Acompanhe as análises e relatórios do BB-BI no InvesTalk

Novas fontes

Com o BB-BI e o UBS BB, o Banco do Brasil busca ganhar espaço dentro da nova realidade do financiamento a empresas no País. A entrada de milhões de investidores de varejo e a criação e popularização de novos instrumentos financeiros fez com que o mercado de capitais ganhasse corpo no financiamento à atividade empresarial.

"A participação de operações de mercado de capitais no endividamento das empresas no Brasil está em torno de 42%", afirma o CEO do BB-BI. Segundo ele, em 2005, o mercado respondia por algo em torno de 10%, o que mostra a evolução desde então.

Este novo perfil é importante, de acordo com ele, para financiar o crescimento do setor empresarial no longo prazo. Mesmo em um cenário de juros a dois dígitos, o mercado de capitais consegue oferecer prazos mais longos e custos financeiros mais competitivos. "As empresas conseguem ter um planejamento financeiro melhor, um horizonte de crescimento futuro."

Quer dar uma nota para este conteúdo?

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência e personalizar os conteúdos de acordo com a nossa

Política de Privacidade.