representação de cérebro em amarelo sob fundo amarelo

Mercado

Banco do Brasil fará recomendações a pequenas empresas com uso de IA generativa

Publicado por: Broadcast Exclusivo

conteúdo de tipo Leitura3 minutos

Atualizado em

25/06/2024 às 11:25

Por Matheus Piovesana, do Broadcast

São Paulo, 25/06/2024 - O Banco do Brasil vai utilizar inteligência artificial generativa para dar recomendações financeiras a empresas de pequeno porte. A tecnologia será inserida na plataforma do banco destinada à gestão do caixa destes clientes, que tem cerca de 140 mil usuários, e que permite gerenciar inclusive contas de outras instituições.

Chamada de Ari, a ferramenta dará recomendações a partir dos dados de fluxo de caixa das empresas. Terá alertas sobre pagamentos futuros e sobre os patamares de venda de cada negócio, e também recomendações sobre maneiras de impulsionar as receitas, por exemplo.

"Usando a IA generativa, vamos acelerando esse processo (de recomendação), automatizando e entendendo como o cliente funciona", afirma Luciana Barbosa, gerente executiva clientes MPE, ao Broadcast . O BB diz ser o primeiro banco a aplicar a tecnologia, que permite gerar novos dados a partir de bases preexistentes, neste modelo de atendimento.

O mercado de micro, pequenas e médias empresas é visto pelos bancos como a próxima fronteira de busca de maior relacionamento com os clientes. Assim como no caso das pessoas físicas, o objetivo é trazer o máximo possível das operações financeiras destes clientes para dentro de casa, mas no caso das empresas, os bancos precisam estar "dentro" do negócio para fazer ofertas mais certeiras.

"É um segmento extremamente criterioso, que preza muito pelo relacionamento, não tanto pela informatização", diz o gerente geral de Inteligência Artificial e Analítica do banco, Rafael Rovani. Segundo ele, as ferramentas digitais precisam oferecer algo além, e não simplesmente substituir o gerente.

O Painel PJ é a aposta do BB nessa direção. O banco permite a consolidação de contas e de maquininhas de diferentes instituições pelo cliente, e entrega em troca gráficos que mostram as entradas e saídas de caixa esperadas. A aplicação da IA é um segundo degrau, que usa as informações para "guiar" o cliente.

"Nós temos uma visão ampla do ecossistema financeiro da empresa e a solução traduz as informações disponíveis, fornecendo dicas práticas, relevantes e valiosas para a gestão do negócio, de forma fácil, direta e hiperpersonalizada, focando em entrega de alto valor aos empreendedores", diz em nota a vice-presidente de Negócios de Varejo do banco, Carla Nesi.

Uso de IA

A Ari não é a primeira ferramenta de atendimento do BB a utilizar inteligência artificial, embora as anteriores não contassem com a forma generativa da tecnologia. Os clientes do banco atendidos pelos canais digitais já interagem em maior ou menor escala com IA, mas em outros modelos, que executam transações e tarefas.

"Temos soluções de IA há muito tempo e agora inovamos ainda mais, usando outras técnicas de apoio, agregando qualidade e eficiência e mitigando riscos", afirma a vice de Negócios Digitais e Tecnologia do banco, Marisa Reghini, por escrito. "Seguimos desenvolvendo soluções para que a IA esteja cada vez mais integrada aos negócios do banco, aprimorando a experiência dos clientes e a alocação de recursos."

Como mostrou a reportagem do Broadcast na semana passada, o BB quer qualificar todos os funcionários do conglomerado, cerca de 125 mil, para que utilizem ferramentas de inteligência artificial e entendam como a tecnologia funcione. O banco público acredita que a tecnologia pode ajudar a gerar mais receitas e eficiência com o mesmo contingente de funcionários.

Quer dar uma nota para este conteúdo?

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência e personalizar os conteúdos de acordo com a nossa

Política de Privacidade.