Pular para o conteúdo principal da pagina
plataforma suspensa de construção civil

Mercado

Tenda (TEND3) 1T24: positivo; primeiro trimestre a apresentar lucro líquido desde 3T21.

A companhia parece ter deixado o pior momento de seus resultados para trás, retornando ao ponto de lucratividade após 9 trimestres no vermelho.

Publicado por: Análise BB

conteúdo de tipo Leitura4 minutos

Atualizado em

09/05/2024 às 15:57


A Tenda apresentou resultados operacionais pujantes, em nossa opinião. Houve aceleração nas Vendas Líquidas, tanto na base mensal como anual, atingindo R$ 964,8 milhões (+14,5% t/t, +57,9% a/a). Sua subsidiária Alea, que opera a linha de construção pré-fabricada em madeira, chegou a R$ 80,7 milhões em vendas no trimestre, o que elevou sua participação para 8,4% das vendas consolidadas no período (+1,8 p.p. t/t, +6,6 p.p. a/a). Além disso, a companhia conseguiu dar sequência no repasse de preços, com o preço médio consolidado por unidade chegando a R$ 210,9 mil (+2,4% t/t, +8,8% a/a).

Foi reportado também melhora na estrutura de capital, com a Dívida Líquida sobre o Patrimônio Líquido caindo a 39,5% (-13,9 p.p. t/t, -72,1 p.p. a/a). A geração de caixa operacional também merece destaque, encerrando o trimestre aos R$ 155 milhões, revertendo a queima de caixa líquida de R$ 38,4 milhões nos três primeiros meses de 2023.

Dessa maneira, a Tenda entregou um lucro líquido de R$ 4,4 milhões no 1T24, primeiro trimestre no campo positivo da companhia desde o 3T21, o que pode marcar o fim de um período bastante penoso para a empresa, superando os desafios do pós pandemia.

Desempenho das ações

As ações da Tenda recuam mais de 12% em 2024 (até ontem, 8), e mesmo sentido efeitos da recente abertura de curva de juros doméstica ao longo do mês de abril, com impactos significativos nas ações das principais companhias do setor, permanece acumulando alta superior a 70% nos últimos 12 meses. Vale lembrar que a companhia passou por um período de resultados operacionais pressionados em função da súbita elevação de custos durante a pandemia do Covid-19, pesando sobre sua precificação, mas a recente melhora nas operações e a situação de equilíbrio da estrutura de capital vem conduzindo novamente o preço de suas ações para um patamar mais próximo do que entendemos como coerente.

Perspectivas

Permanecermos com boas expectativas em relação aos negócios da companhia, que além de apresentar substancial melhora em sua operação, conta com um cenário de incentivos ao Faixa 1 do programa Minha Casa Minha Vida, que traz (i) a implementação da redução da alíquota tributária para empreendimentos contemplados nessa faixa do programa por meio do RET1; e (ii) a aprovação da possibilidade de utilização de créditos futuros no FGTS para composição de renda dos trabalhadores no financiamento imobiliário, o que deve melhorar os níveis de demanda pelos produtos da companhia nos exercícios seguintes. Vale lembrar que empreendimentos para o público de baixa renda (como é o caso do Faixa 1 do programa) constituem o principal foco da companhia, que deve ser uma das principais beneficiadas pelas medidas dentro do grupo de incorporadoras listadas.

Dessa forma, e tendo em vista a percepção de redução das pressões sobre os resultados da companhia, que retornou ao patamar de lucro líquido após 9 trimestres de reporte de prejuízos, permanecemos nossa recomendação de Compra com preço-alvo em R$ 17,00 para o final de 2024.

Destaques Operacionais e Financeiros

A Tenda lançou 13 novos empreendimentos no trimestre, totalizando R$ 763,2 milhões (-33,9% t/t e +54,8% a/a), contando com um repasse de preços consistente, com o preço médio por unidade chegando a R$ 214,4 mil (+9,2% t/t e +12,9% a/a).

As vendas consolidadas apresentaram movimento semelhante, com as vendas líquidas atingindo R$ 965 milhões (+14,5% t/t e +57,9% a/a), contando ainda com uma redução nos níveis de distratos, que representaram 10,6% das unidades brutas vendidas (-2,4 p.p. t/t, -7,6 p.p. a/a). Dessa maneira, houve um aumento na velocidade de vendas, com a VSO Líquida chegando a 30,4% (+4,3p.p. t/t e +6,0 p.p. a/a).

Com um operacional forte, a Receita Líquida consolidada somou R$ 744,9 milhões (-1,3% t/t e +14,4% a/a), levando a um Lucro Bruto de R$ 182,8 milhões (+8,9% t/t e +37,6% a/a), e refletindo em uma Margem Bruta de 24,5% (+2,3 p.p. t/t e +4,2 p.p. a/a) no 1T24.

As despesas com pessoal (SG&A) foram de R$ 118 milhões (+6,3% t/t e +38,8% a/a), em linha com o trimestre anterior, mas significativamente mais elevadas na comparação anual, em função de uma reversão na provisão de bônus em 2022 que foi reportada no 1T23, gerando uma leve distorção na comparação de 12 meses. Analisando isoladamente as despesas com vendas, estas atingiram R$ 63,8 milhões, (-9,9% t/t e +33,1% a/a), e evidenciam que a estrutura de despesas da companhia vem se mostrando comportada dentro da variação média histórica. Assim, o EBITDA ficou em R$ 68,8 milhões no 1T24, bastante superior às comparações trimestrais e anuais (+109,8% t/t, +93,3% a/a), contribuindo com nossa expectativa de retomada da rentabilidade nos próximos trimestres.

O Resultado Financeiro foi negativo em R$ 53,6 milhões, estável na visão anual, mas piora na comparação trimestral (+63,6% t/t), justificada, principalmente, por aumento na rubrica de despesa financeira cessão de carteira, em função de um maior volume cedido em relação ao trimestre anterior.

Mesmo com o avanço dos impactos no Resultado Financeiro, a Tenda entregou um lucro líquido de R$ 4,4 milhões, que embora modesto, é primeiro lucro líquido em um trimestre desde meados de 2021, encerrando uma sequência de 9 resultados no campo negativo. No consolidado anual, considerando a melhora operacional, as substituições de dívidas mais onerosas e o follow-on ocorrido em 2023, o indicador Dívida Líquida por Patrimônio Líquido recuou para 39,5% (-13,9 p.p. t/t, -72,1 p.p. a/a), indicando uma expressiva melhora na estrutura de capital da companhia, o que reforça que as pressões que vinham impactando os resultados da Tenda nos últimos anos parecem estar próximas do fim.

Disclaimer

Este é um relatório público e foi produzido pelo BB-Banco de Investimento S.A. (“BB-BI”). As informações e opiniões aqui contidas foram consolidadas ou elaboradas com base em informações obtidas de fontes fidedignas e de boa-fé, tendo sido tomadas medidas razoáveis para assegurar sua exatidão no momento de publicação. Contudo, o BB-BI não garante que tais dados sejam totalmente isentos de distorções e não se compromete com a veracidade dessas informações. Todas as opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e derivam do julgamento de nossos analistas de valores mobiliários (“analistas’), podendo ser alteradas a qualquer momento sem aviso prévio. O BB-BI não garante o lucro e não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas nesse material, que tem por finalidade apenas informar e servir como instrumento que auxilie a tomada de decisão de investimento, não devendo ser interpretado como material promocional, recomendação, oferta ou solicitação de oferta para comprar ou vender quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao capital investido. A rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Nos termos do art. 22 da Resolução CVM 20/2021, o BB-BI, em conjunto com o Conglomerado Banco do Brasil S.A. (“Grupo”), declaram que (i) podem ser remunerados por serviços prestados ou possuir relações comerciais com a(s) empresa(s) analisada(s) neste relatório ou com pessoa natural ou jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse dessa(s) empresa(s); (ii) podem possuir participação acionária direta ou indireta, igual ou superior a 1% do capital social da(s) empresa(s) analisada(s), e poderão adquirir, alienar ou intermediar valores mobiliários da(s) empresa(s) no mercado.

Quer dar uma nota para este conteúdo?

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência e personalizar os conteúdos de acordo com a nossa

Política de Privacidade.