Pular para o conteúdo principal da pagina
caixas de papelão empilhadas

Mercado

Suzano (SUZB3) 1T24: BB-BI analisa resultado, veja preço-alvo e recomendação

Avanço de margens operacionais, mas alavancagem no limite

Publicado por: Análise BB

conteúdo de tipo Leitura5 minutos

Atualizado em

10/05/2024 às 13:40


No 1T24, a Suzano reportou um avanço sequencial na rentabilidade operacional de ambos os segmentos de atuação, explicado, de maneira geral, (i) pela demanda aquecida de celulose nas principais regiões consumidoras que impulsionou as cotações da commodity, (ii) pela recuperação da demanda de papel no mercado externo, e (iii) pela continuidade da redução dos custos. Na comparação anual, no entanto, os números recuaram, com a Suzano reportando receita líquida consolidada de R$ 9,5 bilhões (-16,1% a/a) e EBITDA ajustado de R$ 4,6 bilhões (-25,9% a/a), com margem EBITDA ajustada de 48,2%, recuo de 6,4 p.p. a/a. Por fim, o lucro líquido retraiu 96% a/a e ficou em R$ 220 milhões.

Alavancagem atinge limite estabelecido na política de endividamento da companhia

A dívida bruta voltou a se elevar e encerrou o 1T24 em R$ 79 bilhões (ante R$ 77 bilhões no fim de 4T23), assim como a dívida líquida, que avançou para R$ 59,6 bilhões (ante R$ 55 bilhões ao final do 4T23). A alavancagem financeira medida pelo indicador dívida líquida/EBITDA em US$, também se elevou, atingindo 3,5x (3,1x no 4T23), inclusive refletindo a redução do EBITDA acumulado em 12 meses, e alcançou o limite estabelecido na política de endividamento da Suzano já considerando o ciclo de investimento atualmente em curso. Vale mencionar que os investimentos somaram R$ 4,0 bilhões no trimestre (guidance de R$ 16,5 bilhões para o ano de 2024), dos quais R$ 1,5 bilhão se referem ao Projeto Cerrado, que segundo a companhia segue dentro do cronograma e atingiu 94% de avanço físico e 87% financeiro. Apesar da proximidade da conclusão dos desembolsos para o Projeto Cerrado e da expectativa de incremento parcial do resultado operacional pela entrada da nova planta em operação, acompanhando seu processo de ramp-up a partir do segundo semestre de 2024, entendemos que o nível de endividamento e alavancagem da companhia deve ser monitorado de perto, principalmente considerando o potencial impacto da elevação da oferta global nos preços de celulose e consequentemente no EBITDA da companhia, pressionando ainda mais o indicador dívida líquida/EBITDA. Em teleconferência para apresentação de resultados, a companhia informou que a alavancagem atual deve ter atingido o pico e assegurou que a política de endividamento será rigorosamente respeitada.

Após notícias sobre suposta aquisição da IP, papel tomba 12% no dia

Após notícias veiculadas na mídia a partir do dia 07/05 sobre uma suposta oferta de aquisição da International Paper (“IP”) – player relevante com atuação global em diversos segmentos de papel – os papéis despencaram 12% no dia, refletindo, ao nosso ver, a preocupação dos investidores com a capacidade da Suzano de incorporar o ativo, cujo valor de mercado supera o da própria empresa (US$ 16 milhões da IP x US$ 13 milhões da Suzano), principalmente considerando o forte impacto no já elevado patamar de endividamento da companhia, decorrente da transação. A empresa negou a existência de proposta formal ou mesmo de deliberação de seu Conselho de Administração relacionada ao tema. Seguimos atentos a eventuais desdobramentos sobre este assunto, mas preliminarmente corroboramos com a preocupação mencionada, embora reconhecemos que se trataria de um passo importante na internacionalização da Suzano e na ampliação de sua liderança global na cadeia de papel e celulose.

Disclaimer

Este é um relatório público e foi produzido pelo BB-Banco de Investimento S.A. (“BB-BI”). As informações e opiniões aqui contidas foram consolidadas ou elaboradas com base em informações obtidas de fontes fidedignas e de boa-fé, tendo sido tomadas medidas razoáveis para assegurar sua exatidão no momento de publicação. Contudo, o BB-BI não garante que tais dados sejam totalmente isentos de distorções e não se compromete com a veracidade dessas informações. Todas as opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e derivam do julgamento de nossos analistas de valores mobiliários (“analistas’), podendo ser alteradas a qualquer momento sem aviso prévio. O BB-BI não garante o lucro e não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas nesse material, que tem por finalidade apenas informar e servir como instrumento que auxilie a tomada de decisão de investimento, não devendo ser interpretado como material promocional, recomendação, oferta ou solicitação de oferta para comprar ou vender quaisquer títulos e valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao capital investido. A rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Nos termos do art. 22 da Resolução CVM 20/2021, o BB-BI, em conjunto com o Conglomerado Banco do Brasil S.A. (“Grupo”), declaram que (i) podem ser remunerados por serviços prestados ou possuir relações comerciais com a(s) empresa(s) analisada(s) neste relatório ou com pessoa natural ou jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que atue representando o mesmo interesse dessa(s) empresa(s); (ii) podem possuir participação acionária direta ou indireta, igual ou superior a 1% do capital social da(s) empresa(s) analisada(s), e poderão adquirir, alienar ou intermediar valores mobiliários da(s) empresa(s) no mercado.

Quer dar uma nota para este conteúdo?

Utilizamos cookies para oferecer uma melhor experiência e personalizar os conteúdos de acordo com a nossa

Política de Privacidade.